quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Aparelhos Autoligados versus Aparelhos Convencionais: Uma Revisão Sistemática


A moda nos últimos congressos em Ortodontia têm recaído sobre a tecnologia e tratamento com braquetes autoligados. Por outro lado, já existem milhares de artigos científicos da área colocando estes sistemas à prova da real eficácia e efetividade nos tratamentos ortodônticos quando comparados aos tratamentos convencionais. E grande parte destes estudos apontam grande vantagem para os sistemas autoligados em relação aos aparelhos convencionais.

Mas devemos atentar aos detalhes:


Hoje, vou falar sobre uma interpretação de um artigo de revisão sistemática, da American Journal of Orthodontics, sobre os sistemas autoligados de 2011. Uma revisão sistemática costuma reunir os artigo mais relevantes, com melhores desenhos do estudo, composição da amostra, conclusões coerentes por exemplo. Enfim, uma série de requisitos a fim de se ter a melhor evidência baseada na ciência em determinado assunto.

E os autores chegaram à algumas conclusões acerca dos estudos sobre os sistemas autoligados realizados até hoje:


  • Ensaios clínicos randomizados (ECRs) são estudos indispensáveis, pois abordam a eficácia terapêutica de determinado tratamento além de eliminar alguns riscos de viés;
  • É impossível prever a extensão e até mesmo a direção do viés em estudos clínicos não randomizados;
  • Estudos mais rigorosos são mais propensos a encontrar respostas mais próximas da verdade;
  • Mesmo que haja apenas alguns estudos clínicos randomizados sobre o assunto, estes tem maior importância sobre estudos não randomizados;
  • Além dos estudos randomizados, existe um risco de viés com a utilização de escalas para resumir a qualidade de um estudo. Mesmo estas escalas tem limitações de qualidade;
  • O cálculo da pontuação do estudo também deve ter diferentes "pesos" em diferentes ítens da escala. Além disso, tais abordagens para avaliar a qualidade ou risco de viés não são suportados por evidências empíricas;
  • Lidar com os estudos considerados de alto risco de viés pode comprometer a apresentação de uma análise incluindo todos os estudos ou um estudo com baixo risco de viés.
Portanto, uma meta análise com estudos de riscos variáveis de viés pode resultar em conclusões falso positivas ou negativas. 

Na meta análise sobre aparelhos autoligados feita em 2010 fossem considerados as conclusões e resultados dos estudos "fracos", o estudo concluiria que os aparelhos autoligados estariam estatisticamente favorecidos, isto é, são melhores do que os aparelhos convencionais. Enquanto, que se levados em conta os estudos aleatórios de maior peso científico conclui-se que os aparelhos NÃO tem diferenças estatisticamente significativas até agora. O que pode se concluir é que existem muitos estudos que favorecem os aparelhos autoligados em detrimentos aos dos sistemas convencionais, porém deve-se atentar a qualidade e rigor científico destes estudos, que quase sempre tem interesses econômicos de fabricantes envolvidos e um forte apelo de marketing por trás.     

Fonte:

  • Kaklamanos EG, Athanasiou AE. Systematic review of self-ligating brackets. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2011 Feb;139(2):145-6; author reply 146-7.
  • Chen SS, Greenlee GM, Kim JE, Smith CL, Huang GJSystematic review of self-ligating brackets. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2010 Jun;137(6):726.e1-726.e18; discussion 726-7.

2 comentários:

  1. Koga, inicialmente no curso de especialização faria o trabalho de conclusão do curso com o tema sobre aparelhos autoligados. Notei realmente que muitos destes artigos parecem direcionados a resultar em uma conclusão favorável a uma determinada marca, ou a um determinado tipo de aparelho autoligado de uma marca qualquer. Cada artigo compara, muitas vezes, um só tipo de autoligado aos aparelhos convencionais, parecendo mais jogo de marketing mesmo. Acho importante se ter uma idéia equilibrada sobre autoligados, levando-se em consideração o caso em questão de uma forma muito particular para se indicar o autoligado, pois, nem sempre, ele conseguirá proporcionar resultados mais eficientes E MAIS RÁPIDOS (grande preceito dos aparelhos autoligados devido à "baixa fricção" ou "baixo atrito" entre fio e bracket)do que aparelhos convencionais. Acho importante levantar esa questão aqui. Grande abraço a todos.

    Dr. Maurício Medina, especialista em Ortodontia pelo curso de Especialização Ortopres - 2ª turma.

    ResponderExcluir
  2. Olá Doutor,

    Realmente devemos enxergar além do que as pesquisas apontam. As indústrias sempre foram parceiras das instituições de ensino, isto não é ruim, mas deve ser declarado o conflito de interesse nos artigos publicados, o que em 99% dos artigos não ocorre.

    Somente com esse olhar crítico, podemos esclarecer para os pacientes que não existem pasta de dentes que protege por até 12 horas, 12 problemas bucais e clareamento mágico com fitas adesivas da Gisele Bunchen em uma semana! Abraço

    ResponderExcluir